EXPORTAR É PRECISO, MAS ESTÁ DIFÍCIL. MAIS AINDA PARA QUEM NÃO É DO RAMO!

Talvez você já tenha visto ou ouvido falar em “Overbooking” de Passagens aéreas. Quando uma companhia vende mais passagens do que um avião pode suportar e causa enormes transtornos aos passageiros que foram deixados de lado. São filas e mais filas... Pessoas nervosas... Crianças chorando... Férias frustradas. Etc, etc, etc. Quem já passou por isso, sabe bem o que é. Infelizmente!!!

Pois bem, saiba que este “fenômeno” também acontece no mundo dos negócios e o Brasil vem sofrendo muito com isso. É o chamado Rolling Cargo! Uma reação em cadeia, difícil de resolver num curto espaço de tempo.

Começa em 2016, quando o espaço disponível nos navios diminui, em função da crise econômica que derrubou nossas importações, levando as companhias marítimas a reduzirem a quantidade de navios aportando em nossos portos.

Como se já não fosse o bastante... Eis que surge mais uma crise, desencadeando mais uma reação em cadeia. Vejamos:
•       A Greve dos Caminhoneiros provoca a criação de uma tabela nacional de fretes
•       Esta nova tabela é aproximadamente 12% mais cara do que os preços praticados no mercado, segundo a CNI (Confederação da Nacional das Indústrias)
•       “As negociações passam a ser diárias, tanto de preço quanto de disponibilidade para a data escolhida. Como resultado, não é possível prever exatamente a chegada da carga ao porto” – Segundo Antonio Rodrigues – Diretor da Maersk.
•       Com medo da falta de espaço, os embarcadores fazem múltiplas reservas nos Navios. Precisam se precaver!
•       Sabendo que nem todas as cargas chegarão a tempo, os Armadores, por sua vez, para garantir um navio cheio, fazem o “Overbooking” de até 200%. Eles também precisam se precaver!

             

Conclusão, como todos estão tentando se proteger, no final da linha algumas cargas ficarão de fora. Está formado o caos. Habemus Overbooking! Habemus Rolling Cargo! – diria o Vaticano.

Enquanto este fenômeno estiver acontecendo, uma solução para os exportadores é a utilização do fretamento aéreo. E, para isso, existe a TANDEM, agente de cargas, presente em mais de 70 países, com formação sólida e conexões estabelecidas com as maiores operadoras deste ramos de negócios.

              

“Não nos faltam opções quando o assunto é frete aéreo, em função de nossa vasta rede de negócios ao redor do mundo”.Afirma Mohamed ElHawary, Executivo de Negócios da TANDEM/OTM. Complementa: “Tratamos a logística internacional como algo extremamente crítico, afinal não podemos perder tempo em processos de exportação, visto os valores e prazos estabelecidos. Procuramos agregar valor continuamente à cadeia logística de nossos clientes, através da inovação, alianças e uso de tecnologia.”

Definitivamente, o Brasil não é para Amadores!